Bolsonaro chama de falsa reportagem sobre nomeação de militar

Presidente respondeu ‘fakenews’ à notícia divulgada pela conta do UOL (empresa do Grupo Folha) no Twitter
às 20:39
Foto: Carolina Antunes/PR

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro classificou de fake news reportagem publicada pela Folha de S.Paulo sobre a escalação de um militar para coordenar a estrutura de mídias digitais e reforçar a comunicação oficial do Palácio do Planalto.

Reportagem publicada nesta segunda-feira (11) informa que o coronel Didio Pereira de Campos, ex-chefe da assessoria de imprensa do Exército, comandará uma nova estrutura chamada Comunicação Global, que ficará responsável pelo monitoramento das redes sociais, publicidade oficial e criação de conteúdo.

Leia também
Olívia critica projeto de Coronel contra cotas: ‘Prejudicial à democracia’

Bolsonaro diz que ambiente acadêmico tem sido ‘massacrado por ideologia de esquerda’

Em semana de largada da reforma da Previdência, Onyx vai a Antártida

A nomeação do coronel foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda para o cargo de Diretor do Departamento de Publicidade da Secretaria de Publicidade e Promoção da Secom. Quem assina o despacho é o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Bolsonaro respondeu “fakenews” à notícia divulgada pela conta do UOL (empresa do Grupo Folha) no Twitter.

A ideia é que, com a chegada do coronel, a gestão das mídias digitais, que estava subordinada à secretaria de imprensa, passe a ser controlada pela nova estrutura, assim como a área de publicidade, que estava sem um gestor específico desde o início do governo.

A indicação foi feita pela equipe do ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Santos Cruz, e ocorreu após um diagnóstico da equipe do presidente, sobretudo do núcleo militar, de que a comunicação oficial precisava ser melhorada diante das últimas polêmicas.

Na semana passada, Bolsonaro compartilhou vídeo, filmado durante o Carnaval, no qual um homem introduz um dedo no próprio ânus e recebe jato de urina na nuca. Neste domingo (10), ele divulgou relato deturpado contra uma repórter.

Os dois episódios causaram polêmica e foram criticados, em caráter reservado, por assessores presidenciais, para os quais Bolsonaro não deveria gastar seu capital político com assuntos menores no momento em que o foco do Palácio do Planalto é a aprovação da reforma previdenciária.

Eles avaliam, contudo, que o temperamento do presidente é “irrefreável”, como definiu um auxiliar palaciano, e que, apesar dele já ter sido recomendado a diminuir o tom nas redes sociais, dificilmente mudará a postura, sobretudo ao ter o filho Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) como uma espécie de consultor em redes sociais.

O coronel é descrito como um militar de perfil moderado e técnico. Apesar de sua entrada na equipe de comunicação, a estrutura geral continuará a ser chefiada por Floriano Amorim, indicado pelo posto por Carlos, que blindou as contas oficiais do pai.

COMPARTILHAR
COMENTÁRIOS
Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Retiro Notícias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.