‘É possível que tenha um mandante’, diz Bolsonaro sobre caso Marielle

O presidente, que foi vítima de um atentado no ano passado, afirmou: ‘Eu também estou interessado em saber quem mandou me matar’
às 16:24
Foto: Márcia Foletto/Agência O Globo/Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que “é possível” que o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) tenha mandantes e que espera que as investigações tenham chegado aos reais executores do crime. Na manhã desta terça-feira, 12, foram presos dois suspeitos do assassinato de Marielle e do motorista Anderson Gomes, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz. Eles foram denunciados pelo Ministério Público do Rio por homicídio qualificado e tentativa de homicídio de Fernanda Chaves, assessora que sobreviveu.

Leia também: Moro: PF não vai admitir ‘tentativas de obstrução’ no caso Marielle

“É possível que tenha um mandante. Eu conheci a Marielle depois que ela foi assassinada. Eu não conhecia ela (antes), apesar de ser vereadora com meu filho (Carlos Bolsonaro) no Rio de Janeiro”, declarou o presidente. Bolsonaro falou com a imprensa em Brasília, após encontro e pronunciamento ao lado do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, que está no Brasil para sua primeira visita oficial.

O presidente ainda fez um comentário sobre o atentado sofrido por ele durante a campanha eleitoral no ano passado, cujo autor, Adélio Bispo, teria agido sozinho segundo inquérito da Polícia Federal. “Eu também estou interessado em saber quem mandou me matar”, disse.

Leia também: Prisões não encerram investigações sobre morte de Marielle, diz delegado

Bolsonaro também declarou que não ficou surpreso com as prisões desta terça porque “não existe crime impossível” de ser solucionado. “Eu acredito que não existe crime impossível de ser solucionado, coisa rara. Agora que poderia chegar a um bom termo, eu acredito que sim”. Ele ainda comentou a foto em que aparece com o rosto parcialmente cortado ao lado de um dos acusados, Élcio Vieira de Queiroz. Feita em 2011, a imagem foi publicada pelo ex-PM em uma rede social. “Tenho foto com milhares de policiais civis e militares, com milhares, do Brasil todo“, afirmou o presidente.

Acusados

Segundo as investigações sobre a morte de Marielle Franco, o policial militar reformado Ronnie Lessa teria feito os disparos que mataram a vereadora e o motorista Anderson Gomes, enquanto o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz dirigia o carro que levava o atirador.

A denúncia formulada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do MP-RJ classificou o crime como um “golpe ao Estado Democrático de Direito”.

O MP-RJ considera que o assassinato foi planejado de forma “meticulosa” nos três meses que antecederam as execuções. Além dos mandados de prisão, a chamada Operação Lume cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos dois acusados, para apreender documentos, telefones celulares, computadores, armas e acessórios.

(Com Estadão Conteúdo)

COMPARTILHAR
COMENTÁRIOS
Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Retiro Notícias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.