Em Lisboa, universitários oferecem pedras para atirar em brasileiros

Caso ocorreu na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa
às 22:04
Foto: Reprodução/Veja SP

A Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL) está em época de eleições estudantis. Diversas chapas disputam o comando da associação de estudantes, como são conhecidos os diretórios acadêmicos por lá. A campanha de uma delas, não muito amistosa com os estudantes brasileiros, chamou atenção nesta segunda (29). Em uma caixa de madeira cheia de pedras, lia-se a mensagem: “Grátis se for para atirar a um zuca que passou à frente no mestrado”.

O termo “zuca” é um diminutivo de brazuca, e “passou à frente no mestrado” sugere que os sul-americanos roubaram as vagas dos lusos na instituição. Eduarda Calado, recifense de 24 anos, é mestranda na faculdade e explica o ocorrido. “Ano passado a seleção para o mestrado abriu antes da licenciatura (graduação daqui) terminar e isso fez com que alguns portugueses só se inscrevessem na segunda oportunidade e, por consequência, muitos brasileiros entraram na primeira fase, que tinha mais vagas”, resume.

Incomodados com a provocação, “os brasileiros foram perguntar o que era, argumentando xenofobia. Os portugueses disseram que era brincadeira, humor”, conta Eduarda.

Por meio de nota, a FDUL afirma “ter orgulho de ser um espaço de liberdade de opinião” e que estes valores “devem coadunar-se com o respeito por todos os alunos”. Confira a nota completa abaixo:

Foto: Reprodução/Veja SP
COMENTÁRIOS
Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Retiro Notícias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.