Prestes a assinar com o São Paulo, Wallyson se recupera de assalto

às 2:15

Agredido a coronhadas ao sofrer um assalto na manhã deste sábado, dentro de casa, no distrito de Mangabeira, na Grande Natal, o atacante Wallyson concedeu entrevista e contou com detalhes os momentos de angústia, medo e apreensão que passou ao lado da mãe, irmãos e de sua empregada doméstica, que também foram rendidos pelos criminosos. O jogador, que é ídolo da torcida do ABC, está de férias em Macaíba. Ele disse que na próxima semana encerra contrato com o Cruzeiro e viaja para assinar contrato com o São Paulo.

– Quando eu olhei ele disse: ‘Levanta que é um assalto’. Aí ele deu com o cabo da arma na minha cabeça. Foi tão forte que eu levantei um pouco tonto. Infelizmente a segurança aqui (em Mangabeira) não é muito boa. Isso é a realidade. Nunca havia passado por essa situação. Agora vou pensar duas vezes antes de vir pra cá – declarou.

O atleta contou que estava dormindo no sofá da sala quando foi acordado por três homens que invadiram a residência. O bando, ainda de acordo com Wallyson, possuía mais um indivíduo, que ficou do lado de fora do imóvel dando apoio. Os assaltantes fugiram num Siena prata.

Dentro da residência do atleta, os assaltantes ficaram aproximadamente 1 hora e 40 minutos e levaram um computador, celulares, roupas, várias camisetas de times onde Wallyson já jogou, pares de tênis, relógios, perfumes e R$ 500 em dinheiro. Depois do arrastão, o jogador foi a um posto médico e disse que levou três pontos na cabeça.

Por causa do ocorrido, o jogador admitiu que pensa em tirar a família de Mangabeira, que fica no município de Macaíba, e levá-la para a capital, onde acredita ser mais seguro. A Polícia Militar ainda realizou diligências na região, mas não localizou os suspeitos. O atacante disse que não prestou queixa à polícia.

COMPARTILHAR
COMENTÁRIOS
Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Retiro Notícias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.