Religiosos farão marcha contra aborto e união gay na capital do país

às 22:42

A Esplanada dos Ministérios vai se transformar, a partir de amanhã, em um palco para católicos e evangélicos protestarem e pressionarem o Congresso a avançar com propostas polêmicas e que enfrentam resistência de ativistas de direitos humanos. Os religiosos vão defender restrições ao aborto previsto em lei e farão ataques contra a decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) que facilitou o casamento gay. Também deverão pregar por liberdade religiosa, questionar a criminalização da homofobia e aproveitar para contestar a indicação do advogado Luís Roberto Barroso para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal.

Capitaneada por grupos católicos, a 6ª Marcha Nacional da Cidadania Pela Vida pretende reunir 30 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios na tarde desta terça. Ocorrerá dois dias após a Parada Gay da cidade de São Paulo – marcada também por críticas ao pastor evangélico e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. A principal demanda dos religiosos é a aprovação do Estatuto do Nascituro, que garante direitos ao bebê em gestação – o que, na prática, pode vedar o aborto mesmo nos casos já previstos por lei.

A proposta deverá ser votada depois de amanhã pela Comissão de Finanças da Câmara. A marcha também deve ter faixas pedindo que o Senado rejeite a indicação de Barroso para ocupar o STF. Ele enfrenta resistência por ter defendido a equiparação das uniões homoafetivas às uniões heterossexuais e a pesquisa com células-tronco em julgamento no Supremo. O jurista será sabatinado depois de amanhã na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Os católicos também começaram uma mobilização na internet contra Barroso.

Evangélicos

Os protestos dos católicos devem ser reforçados depois de amanhã por outra manifestação em frente ao Congresso – desta vez, com maior participação de evangélicos. Segundo o pastor Silas Malafaia, o ato poderá reunir até 100 mil pessoas e vai criticar a decisão do CNJ que obriga os cartórios a celebrarem casamentos entre pessoas do mesmo sexo. “Quem é o CNJ para dar uma canetada e liberar o casamento gay? É uma afronta”, afirma Malafaia. Outro tema é a liberdade religiosa e de expressão, espécie de desagravo ao próprio Malafaia e a Feliciano.

Correio

COMPARTILHAR
COMENTÁRIOS
Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Retiro Notícias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.