Remédio errado faz bebês desenvolverem ‘síndrome de lobisomem’

Os bebês apresentaram os sintomas da síndrome depois que ingeriram um remédio recomendado para pacientes com alopecia, que é justamente a queda ou a total ausência de pelos.

às 0:16 e atualizado às 00:22
Foto: Reprodução/ Youtube

Uma troca de medicamento acidental fez com que 17 bebês desenvolvessem a “síndrome do lobisomem” na Espanha. A condição se dá a partir de uma mutação genética e consiste no crescimento anormal de pelos escuros por todo o corpo da pessoa.

Os bebês apresentaram os sintomas da síndrome depois que ingeriram um remédio recomendado para pacientes com alopecia, que é justamente a queda ou a total ausência de pelos.

Leia mais: Professores e alunos são assaltados mais uma vez em colégio em Coité

A situação foi desencadeada pela troca de etiquetas de duas drogas por parte de uma empresa farmacêutica. Enquanto uma era recomendada para quem tem alopecia e uma fórmula que contém omeprazol, recomendada para tratar refluxo em bebê, segundo reportagem da revista Galileu.

A matéria ainda cita documentos oficiais que apontam que a empresa farmacêutica Farma-Química Sur, sediada na cidade de Málaga, comprou pelo menos 22 dos lotes trocados do remédio de uma empresa na Índia. Por isso, embora o medicamento tenha sido retirado de circulação, as autoridades agora estão investigando o paradeiro da cadeia de suprimentos.

A expectativa, segundo o ministério da Saúde espanhol, é de que condição seja revertida e os bebês voltem a produzir pelos normalmente em algumas semanas.

A mãe de um dos bebês afetados relatou o susto quando se deu conta da situação. “A testa do meu filho, bochechas, braços e pernas, as mãos estavam cheias de pelos. Ele tinha as sobrancelhas de um adulto. Foi muito assustador porque não sabíamos o que estava acontecendo com ele”, relatou Angela Selles a um veículo local.

COMENTÁRIOS
Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Retiro Notícias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.